Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2012
EDP, o verdadeiro escândalo

 Escândalo é uma palavra sobre-usada na comunicação social. Primeiro, ocorrências diárias não podem ser consideradas escandalosas, uma vez que perderam o carácter de excepção que faz parte da definição de escândalo; segundo, já não há nada que possa escandalizar uma opinião pública que leva com o chicote todos os dias. Isto, a propósito do “escândalo” de ontem, que foi a nomeação de meia dúzia de cabeças do PSD e PP para os suculentos cargos no Conselho Geral de Supervisão da EDP, por causa da recomposição do órgão para acomodar o novo sócio chinês. Mas as nomeações não têm nada de trepidante. Os anteriores conselheiros tinham sido nomeados pelo PS, na altura no poder. Catroga, agora conselheiro-mor, até já era conselheiro. Que hoje, em ciclo de uma nova maioria, sejam escolhidos os preferidos dos dois partidos no poder, não é nada de inusitado. Até se compreende. Catroga, por exemplo, está a ser pago pelo trabalho que teve a fazer o programa eleitoral do PSD. Verdadeiramente escandaloso é a existência do Conselho Geral de Supervisão. Trata-se de um órgão da chamada “gestão bícefala”, uma invenção dos tempos de Guterres que tem como único objectivo criar tachos para os boys. O CSG tem funções semelhantes aos antigos conselhos fiscais das sociedades anónimas, mais a função magna de decidir os salários e bónus do Conselho de Administração executivo – as sete pessoas que realmente dirigem a EDP, Mexia à cabeça. A diferença é o tamanho – são vinte e três lugares, para um órgão que, verdadeiramente, nada tem a decidir, ou toma decisões uma vez por ano – e os custos: o CGS implica instalações luxuosas no centro de Lisboa, carros com motorista, secretarias e (calculamos) cartões de crédito para despesas, viagens e demais floreados devidos a quem está por cima na pirâmide social. Até agora, o CGS era dirigido por António de Almeira, socialista, amigo de Almeida Santos e inimigo de Mexia. A sua função, paga a peso de ouro, consistia basicamente em chatear o CEO do EDP, validando ou não (a título consultivo) as decisões de gestão. Existindo o Conselho Geral de Supervisão, um órgão inventado para 23 criar tachos, não pode surpreender que os tachos sejam preenchidos. Se pode haver outro escândalo que surpreenda, é como a população aceita pacificamente que a roubem (o CSG é pago, em última análise, pelos consumidores) e ainda por cima o façam abertamente, na cara de toda a gente. Pois é este o charme da liberdade de opinião: pode-se reclamar à vontade, que ninguém vai preso. Mas não serve para nada.

IN:perplexo


sinto-me:

publicado por patriotaxxi às 20:16
link do post | comentar | favorito

posts recentes

Câmara Municipal de Castr...

CAVAQUISTÂO DE VISEU

Nós pagamos...

Castro Daire, notícia pel...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai ficar Se...

Vamos Ajudar o Presidente...

EDP, o verdadeiro escânda...

Portagens

Trabalhar sem ordenado

Peculato em Castro Daire

O "Povo" a que paga!!!

Um erro que Passos Coelho...

Coincidência

2 de Julho

Museu Dias Loureiro

Carta aos senhores da tr...

Semanada

Portugal a dois tempos...

Quem nos acode!!!

Funcionários Publicos

Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


links
pesquisar
 
mais sobre mim
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds