Sábado, 28 de Janeiro de 2012
Castro Daire Vai ficar Sem Tribunal

Um único tribunal por distrito, com secções a funcionar em diversos pontos daquela área geográfica, é a base do novo modelo de organização judiciária proposto pelo Ministério da Justiça, a que a agência Lusa teve acesso.
A proposta define que tais secções serão de competência genérica ou especializada, de acordo com "o histórico da procura, as previsões de evolução e as condições de mobilidade do território, e funcionarão na dependência orgânica da estrutura de presidência do tribunal".
O documento refere que esta nova organização terá reflexos na organização judicial e nas secretarias e secções de processos, estando orientada para uma maior mobilidade de recursos (humanos e materiais) e de processos.
A proposta da ministra da Justiça pretende "melhorar o modelo da reorganização dos tribunais e adequá-lo às linhas estruturantes da reforma das leis do processo".
Atualmente existem 308 tribunais judiciais, tendo a reforma de 2008 estabelecido que estes passariam a organizar-se em 39 comarcas.
Porém, este modelo foi implementado numa área limitada, tendo sido criadas apenas três das 39 novas comarcas inicialmente previstas (Alentejo Litoral, Baixo Vouga e Grande Lisboa-Noroeste).

Criação de 20 comarcas


A nova proposta do MJ prevê a criação de "20 comarcas, com correspondência aos Distritos Administrativos e Regiões Autónomas" e surge "como uma simplificação da organização judiciária, mais identificada com a restante organização territorial dos serviços públicos.
Propõe-se também a criação de uma Instância Central por comarca, que pode ser desdobrada em secção cível e secção criminal, que tramitará essencialmente os processos de maior valor e da competência de tribunal coletivo ou de júri (jurados) e em secções de competência especializada, tendo em conta a oferta pré-existente e o movimento processual, por tipo de processo.
É proposta igualmente a criação de Instâncias Locais, com secções de competência genérica, tendo em conta a oferta pré-existente e o movimento processual.
"Respeitados os limites legais, podem ser deslocalizados postos de trabalho no âmbito da comarca", lê-se no documento de trabalho.
O número de magistrados será definido de forma global para a comarca, podendo o seu trabalho ser prestado em mais do que um ponto.
E, sem prejuízo das regras de competência territorial, qualquer secção deve receber documentos e prestar informação (disponível no sistema informático) sobre processos da competência da comarca.
Pode também tramitar processos, se assim for determinado pelos órgãos de gestão da Comarca.

Extinção de tribunais com reduzida atividade


Face ao modelo de organização judiciária de 2008, mantém-se uma estrutura de gestão composta, regra geral, por um juiz presidente, um procurador coordenador e um administrador judiciário, prevendo-se o alargamento das possibilidades de delegação deste último.
Ponto marcante da proposta, já entregue à troika, é a extinção dos tribunais em que se verifique um movimento processual inferior a 250 processos entrados/ano, privilegiando a proximidade ao cidadão.
A reforma foi pensada dentro das estruturas físicas existentes e sem aumento global dos recursos humanos afetos e, para a definição dos tribunais, foram tidos em consideração os resultados do Censos 2011 relativamente à distribuição da população".
A possibilidade de existência de quatro tribunais de 1ª instância de competência nacional -- tribunal Central de Instrução Criminal, Tribunal Marítimo, Tribunal da Propriedade Intelectual, e o Tribunal da Concorrência da Regulação e da Supervisão -, é outra das matérias contempladas no documento.

Expresso



publicado por patriotaxxi às 20:21
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Hélio Reis a 28 de Janeiro de 2012 às 23:34
Este é só mais um eixo estratégico que confirma a minha teoria de que o Governo pretende, aos poucos, dar a machadada final no interior do país.
Com esta "reforma" vai.se afastar ainda mais a população de um serviço básico e essencial para a sociedade.

"Lixo" não é a avaliação das agências de rating sobre Portugal, mas sim, a avaliação do Governo sobre o interior do país...

Por este andar, qualquer dia até a administração autónoma está entregue ao Governo, ou então as câmaras, sedes de distrito, passam a mandar nas restantes câmaras municipais distritais.

Basicamente, e em resumo, Portugal está à venda a preço de saldo... É aproveitar freguês!


Comentar post

posts recentes

Câmara Municipal de Castr...

CAVAQUISTÂO DE VISEU

Nós pagamos...

Castro Daire, notícia pel...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai Ficar Se...

Castro Daire Vai ficar Se...

Vamos Ajudar o Presidente...

EDP, o verdadeiro escânda...

Portagens

Trabalhar sem ordenado

Peculato em Castro Daire

O "Povo" a que paga!!!

Um erro que Passos Coelho...

Coincidência

2 de Julho

Museu Dias Loureiro

Carta aos senhores da tr...

Semanada

Portugal a dois tempos...

Quem nos acode!!!

Funcionários Publicos

Julho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


links
pesquisar
 
mais sobre mim
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds